pimenta preta

Narciso Rodriguez for Him

Narciso Rodriguez for Him

 

Narciso Rodriguez for Him: este é o tipo de perfume masculino que faz a minha cabeça (mas pensando bem, qual é o tipo que não faz?).

Primeiro, eu adoro fougère, acho perfumes masculinos com este apelo “floresta sombria” o máximo, e quando um cara como o Francis Kurkdjian  bota a mão e transforma esta floresta sombria em algo urbano (uma selva de pedra, talvez?), e também sombrio, aí é uau.


homem misterioso

 

Eu gosto de folhas de violeta (embora nem tanto aquele acorde “da flor”, que cheira a suco de uva em pó, às vezes). Gosto muito mais quando o acorde “verde musgo” vai ficando dark, dark e dark, cheirando a piche, pesando no patchouli, deformando a fragrância como quem enverga vigas de ferro.  Tem um quê de escultura, este perfume.

Yves Saint Laurent Nu (La Collection)

Yves Saint Laurent Nu (La Collection)

A resenha é sobre a versão de Yves Saint Laurent Nu, um Eau de Parfum, lançado em 2012, como parte da coleção La Collection).

Antes de mais nada, tem horas que eu não sei se eu me divirto ou se eu fico brava, ou se eu choro junto, quando começa a conversa sobre “todos os reformulados são maus”.


perfumenude

Claro que esta versão do Nu, amado e incensado (olha o trocadilho) pelos fãs de perfumes orientais, foi reformulado, ou relançado. Por quê? Alguns dizem que foi para diminuir custos, outros dizem que foi para se adequar às normas do IFRA (aff, estes “dessplezíveis” vilões!). Eu prefiro pensar que Nu foi adaptado ao “l’air du temps”.

Vou ser sincera ao dizer que a última vez que eu senti o Nu EdP original, foi há pelo menos uns 8 anos. Como as lembranças melhoram ou pioram qualquer aroma, não dá para comparar. O Nu original foi lançado em 2001 e descontinuado

Kenzo Flower Tag

Kenzo Flower Tag

Confesso que quando eu vi a propaganda, o frasco, e o conceito de Kenzo Flower Tag, eu odiei. Sei muito bem que fazer um flanker é muito mais barato e vai linkar um novo produto ao sucesso de um perfume antecessor, mas para mim, aquilo era forçar uma barra, juntando o toque sutil, retro, romântico, de Kenzo Flower, com Tags de graffiti. E pior, querer associar tags de graffiti com sensualidade! Eu achava nonsense e contraditório.

E continuo achando.

Annick Goutal Mandragore EdT

Annick Goutal Mandragore EdT

Sabe aquela pessoa elegante, segura de si, que prefere a simplicidade e não vê graça nesses perfumões intensos, opulentos? Prefere uma coisa mais delicada, leve, fresquinha, intima e pessoal? Marca com uma assinatura suave, aquele cheirinho só dela, que vem com uma lufada de ar e deixa todo mundo suspirando e pensando em coisa boa? Pois é: Annick Goutal Mandragore é desses perfumes.

bruxa vogue

 

Já conhecia alguns da marca, mas no geral, nunca fui uma fã ardorosa de Annick Goutal. Muito badalada, CARA, e com um efeito menos impressionante que o preço. Porém, ainda naquele assunto “menos é mais”, esta marca de nicho já quase deixando de ser nicho tem um bom dedinho. E Annick Goutal Mandragore cai muito bem para quem quer fazer o estilo minimalista chic, ou “gente rica usa perfume splash, que é pra gastar mesmo”.

Claro que, este tipo de perfume, como eu disse, é tão zen que chega a ser feliz. Segundo a lenda, a mandrágora , que dá nome ao perfume, é uma planta-criatura mágica, que concede cura à melancolia. Sua raiz é alucinógena e narcótica. Também se supõe ser afrodisíaca.  É citada na Bíblia, por Shakespeare e claro, também em Harry Potter.  Com tudo isso, eu fico com a versão de que seja um remédio contra a melancolia. Não achei nada mágico, nada afrodisíaco, nada.

mandragore myth

 

 


Annick Goutal Mandragore é leve, aéreo, e nada sintético. Ao mesmo tempo, parece conter algo misterioso e profundo, uma mistura de água de cheiro feminina com água de colônia masculina. A bergamota está presente em todas as fases do perfume, rodeada de gengibre (quase doce), domesticada por um anis-estrelado que parece conferir claridade à composição. O que eu achei diferente: uma pimenta preta que parece aquele tipo “moído fino, finíssimo”, ao contrário de outras composições onde a pimenta é mais grosseira. Ainda assim, pimenta do reino bem marcante, num efeito interessante.

Um perfume totalmente unissex.

flor de mandragora

Flor de Mandrágora

 

Íris delicada, a tal da mandrágora (que nunca vi nem senti, não posso avaliar). A menta cria aquele efeito “banho relaxante” em conjunto com todas as notas listadas. Enfim, um perfume chique, pela simplicidade. Mas não é nenhuma obra prima e com certeza, não sei se desperta paixão, mas de fato, cria uma aura de paz e radiância ao seu redor. Talvez como a auréola dos santos. A base é levemente amadeirada, mas muito fugidia. Faltou ancoragem, mas não sei se esta era a intenção.

annick-goutal-mandragore-eau-de-toilette-100ml_5Enfim, gostei, para aqueles dias em que quero me sentir limpinha e bonita para mim mesma.  Annick Goutal se leva a sério demais e isto definitivamente é um pecado com esta fragrância, pois cai vitimizada pelo grau de expectativa.

Curiosidade: Lançado em 2005, o perfume teria sido inspirado em Harry Potter, conforme palavras da criadora Camille Goutal em uma entrevista para o Sunday People, naquele ano:

Sempre fui uma fã de folclore e eu adoro Harry Potter. Ao ler as histórias para minhas filhas, eu sempre me lembrava da minha própria infância. Para minha mãe, Annick, era como se eu sempre fosse uma menininha, mesmo quando eu era velha o suficiente para viver de maneira independente. Depois que ela nos deixou, a menininha em mim de algum modo submergiu. Com Mandragore, eu espero trazer para fora a pequena criança em todos os adultos, ao revisitar contos de fadas e o folclore com que todos somos familiares.

Ah, a Annick Goutal Mandragore Eau de Toilette tem uma longevidade pífia, de no máximo duas horas. A projeção é a flor da pele. Portanto, se for comprar, invista num frascão, para usar como colônia.

 

Versace Crystal Noir

Versace Crystal Noir

versace crystal noir

 

Um daqueles perfumes que a gente perde com o tempo, Versace Crystal Noir também é aqueles que a gente sempre quer comprar novamente. Muito feliz na composição da fragrância, Versace Crystal Noir consegue ser dark, sensual, opulento, e ainda fresco, e moderno.

Perfume perfeitamente nomeado, sua opulência tem algo de intoxicante, é daqueles perfumes com intenções claras, feitos para seduzir mesmo. Não estamos falando de um perfume preocupado em ser domado, em ser certinho e elegante (mas não acho, de modo algum, que chegue a ser vulgar). Versace Crystal Noir “quer tacar o terror”, quer fisgar a atenção mesmo, e faz isto com opulência luxuriante.

Crystal-Noir

Vamos lá:

Um fizz de gengibre especiado, fresco e possivelmente ancorado em cítricos secretos, abre a fragrância de maneira refrescante, puxando logo o cardamomo maravilhoso que envolve boa parte do perfume. Aldeídos estão aí sim, tanto na abertura seca, quando na cascata de acordes que se seguem como num line up de desfile.

A pimenta preta é bem expressiva na fragrância, conheço gente que não gosta de Crystal Noir exatamente por causa dela. Recomendação se este for o seu caso: não use pela manhã (quando seu olfato é normalmente mais sensível). Mas tudo bem né, este tipo de fragrância é opulento demais para se usar durante o dia. Eu sempre achei um pouco excessiva, sim, mas combina efeitamente com a vibe oriental, especiada, da fragrância e do conceito.

Bom, coco e figo, (mais do primeiro que do último) são a cara de Versace Crystal Noir. Uma qualidade leitosa, cremosa, mas também aquela faceta felpuda e áspera da casca do coco, ao menos para mim. Algo de amargo e viciante. Mas também, algo entre doce e salgado, que me fascina.

party girl

Aí o bonito solta a coleira da flor de laranjeira, e ela ruge alto, tipo em Dior Addict. Mas depois volta para a coleira, e a gardênia passa a imperar. Tuberosas densas intensificam a exuberância do bouquet branco;  peônias almiscaradas, repolhudas, trazem alguma leveza, não deixam o perfume se tornar denso demais, niche demais, invendável demais. Sacou?

Uma base ambarada, sustentada por sândalo e almíscar, acrescente sensualidade sem deixar o perfume se tornar cansativo demais.

Sabe aquele perfume com um aroma cremoso, escuro, ambarado, sensual? Versace Crystal Noir é desse tipo. Mas não cai na besteira de ser pesado demais, fechado demais. Tem algo de translúcido nele, que combina com o frasco enfumaçado. Mas, falando nisso, acho que o conceito “Tampa Gigante” caiu melhor na versão Bright Crystal. De qualquer modo, ainda falando do frasco, o design é icônico e marcante, valeu a pena ousar e no geral, eu acho o frasco legal pacas.

vogue model animal print

Gostei?

Sempre achei que sim, hoje não tenho tanta certeza hoje. Me atrai, como uma lingerie sexy negra, mas o mesmo tempo, parece “tentar demais”. Ao mesmo tempo, me fascina este escuro sexy, suntuoso, sintético e de estética duvidosa, sem vergonha.  É, com certeza, um perfume autoindulgente e isto é, com certeza, o maior trunfo de uma mulher sensual.

Projeta bem e dura o esperado na pele, cerca de 6 horas.

Antoine Lie assinou Versace Crystal Noir Eau de Toilette em 2004.

Natura Amó Provoca

Natura Amó Provoca

natura provoca campanha

Também a pedidos, segue a resenha de Natura Amó Provoca, namoradinho da Amó Sussurra, novos lançamentos da Natura.

Pulando a parte na qual eu desconsidero o nome e o frasco, completamente aborrecidos, passemos a parte masculina do novo duo Natura Amó.

A princípio, uma abertura cítrica masculina e moderna, leve, apresenta a fragrância de Amó Provoca: mandarina e bergamota, pimenta preta. Conforme as notas oficiais, segue priprioca, e realmente ela está ali, interessante e brasileiríssima. Gosto do uso da priprioca em aberturas assim. O perfume adoça imediatamente, mas é um adocicado levinho, manhoso (provoca?), derivado do acorde principal de café latte, que é algo basicamente café fraquinho com leite aguadinho, gostoso e quentinho. Efeito eficiente, não achei tão enjoativo quanto na versão feminina. Especiarias enriquecem o coração. Uma canela gostosinha, cardamomo fragrante (bom!), cravo-da-índia. No final, Amó Provoca tem meio que um cheirinho de chai, um pouquinho de café, e calor no meio do frescor da abertura. A pimenta preta adentra as notas de coração, e vai seguindo na fragrância.

amo-provoca

Não dá para reclamar: Natura Amó Provoca é despretensioso, mas também não é marcante.  Para mim, a priprioca destacou bastante na fragrância, além da aveludada sensação proporcionada por uma camada trabalhada no  difuso Iso E Super. Claro que a Natura poderia ter dito somente ” suaves madeiras ambaradas” e a gente ia entender. Bem que eu desconfiava daquele cedro “não oficial, daquela sedosidade ambarada”!!!! Sândalo adiciona volume, musk aquece e amplifica as madeiras e a pele.

Gostei?

Achei levezinho, fresco e ao mesmo tempo morninho, mas o problema todo está nos “inhos”. É um perfume bonitinho. Dá para trabalhar, dá para namorar… Mas não dá para impressionar com Natura Amó Provoca, senhores.

Aliás, se procura um perfume com testosterona, desviem de Amó Provoca. Aqui a natura se dirige a um outro tipo de homem. Aquele que lava a louça com muito orgulho, obrigada!

Projeção mediana, longevidade razoável.

 

Lancôme Miracle

Lancôme Miracle

miracle by lancome

Lancôme Miracle é, para mim, uma espécie de Ô d’Azur mais sério. Lancôme Miracle parece focar no mesmo público da Natura: mulheres que não procuram usar o perfume para sensualizar por aí. Mulheres adultas. Mães, talvez.

De fato, experimentei algumas vezes e em várias delas tive diferentes impressões. A princípio, me encantei com a lichia leve e as notas florais-cítricas sobre uma base almiscarada bacaninha. Outras vezes, a pimenta preta me causou acessos de rinite e espirros, com sua potência. A frésia mostrou uma face de rosa, também potente, A magnólia aparecendo aqui e ali. Lancôme Miracle só então deixou a lichia aparecer, pincelada aqui e ali por notas cítricas (grapefruit, acho), gengibre e algo como suco de laranja, aguado. Esta fase eu gosto, embora realmente a pimenta preta estrague tudo no perfume, para mim. Excessiva, amarga, sem graça.

Também, nas primeiras vezes que experimentei, normalmente no meio do dia, o sal do corpo poderia estar contribuindo para uma vibe morna, bonita, que aqueceu as notas médias e tornou a lichia e a frésia em algo interessante, pink (no bom sentido), feminino. Decerto que os perfumes pinks e/ou muito romântico não estão entre os meus preferidos. Mas Lancôme Miracle parecia promissor. Porém, para fechar esta resenha, tomei um banhinho caprichado, e pele limpa, Miracle forçou muito na pimenta. Ficou amargo demais.

Mas dê a Lancôme Miracle umas 3 horinhas. Fique atento a como o jasmim reage com a lichia, com o muskperceba como o perfume cria um acorde novo, doce e plástico, que pode agradar ou não, dependendo do seu pendor para almíscar sintético e Laranjinha da Coleção Moranguinho.

Portrait of Madame Allan Bott

Portrait of Madame Allan Bott – Tamara Lempicka

Lição do dia: não tome banho, ops, Lancôme Miracle vai depender da sua pele. Nisto reside sua sutileza ou eu ponto fraco? Não saberia dizer.

Resumindo: é um perfume fresco (mas não refrescante), feminino, não é excessivamente floral. É romântico sem ser inocente em demasia. Tem um otimismo intrínseco. Não compre sem experimentar.

De fato, acredito que é daqueles perfumes que escolhe você. E eu não fui o Pokémon da vez.

miracle

Me lembro de ter gostado mais do Miracle Forever e do Miracle So Magic!

A longevidade é excelente. Projeção muito boa também. Alberto Morillas criou Lancôme Miracle (poxa, Alberto…) em 2000 e o frasco foi criação de Charles Boussiquet.

Ah, percebi que a face do perfume, que foi Uma Thurman, foi substituída por Diane Kruger.

Os respectivos vídeos:

 

 

Carolina Herrera Carolina

Carolina Herrera Carolina

carolina herrera carolina advert

Mais um dos meus minis esquecidos, Carolina Herrera Carolina só tinha sido aberto uma vez.  De fato, Algumas pessoas andaram perguntando sobre perfumes que lembrassem o Miss Dior Chérie (2005) e me lembrei  de Carolina. Aparentemente descontinuado (enquanto seu irmão mais velho, Carolina Herrera, continua firme e forte), deve ter se tornado ironicamente redundante quando a Dior lançou o famoso flanker de Miss Dior, dois anos depois do lançamento de Carolina Herrera Carolina. Pena, pois é interessante e chique, sem passar pelo 212-zator atual da marca.

Carolina é daqueles primeiros lançamentos da marca que vinham em caixas polka-dot, de bolinhas românticas e retrô. Na verdade, o perfume também tem uma elegância retrô sem ser caricata e nem soando datado (como por exemplo, acho que o Carolina Herrera é).

carolina by carolina herrera

Se você encontrar Carolina Herrera Carolina, acho que vale a pena comprar. Experimentando MDC2005 e Carolina lado a lado, as semelhanças são óbvias. . Você também pode compará-lo sem dó a Chanel Coco Mademoiselle (que é mais cítrico), e eu realmente não gosto de comparar fragrâncias, mas de fato, você tem o mesmo tipo de perfume jovial-sexy-chique sem muito açúcar teen nem pedantismo demais.

Folhas de morangos selvagens estão na abertura de Carolina, o que causa a maior semelhança.

A princípio, Carolina Herrera Carolina é mais fresco, e não tem aquele lance doce-salgado que o MDC possuía. A laranja amarga é proeminente, o tornando mais cítrico por mais tempo, enquanto frutas vermelhas indefinidas adicionam suculência. Mas nada em Carolina é fora do lugar.  Eu gostei bastante do efeito-laranja! Torna Carolina Herrera Carolina mais empolgante, energético, que MDC, por exemplo.

natasha-poly-isabeli-fontana-by-inez-vinoodh-the-new-fifties-vogue-china-march-2012-2

É um perfume “mocinha chique”. Ele é alegre, provocante e glamouroso, porém parece ter senso de humor e leveza.  Mergulha num mundo de almíscar chique e aquele acorde cashmere Woods (que basicamente é um amadeirado vago e ambarado, cremoso) gostoso, circundado por rosas delicadas e levemente talcadas. É sofisticado porque sabe equilibrar muito bem as especiarias (pimenta  preta e cardamomo) entre o início da fragrância e seu coração, polvilhando as notas frutais com o nível certo de picância perfumada.

Carolina Herrera Carolina é/era (surpresa aqui que tenha sido descontinuado, e torcendo para que não; embora não seja meu tipo de perfume, é justo no preço e ótimo do efeito). Decai para uma base bem construída, sensual, porém leve, mantendo um tipo de feminilidade discreta e luminosa.

Projeção e longevidade ok, nada extravagante, porém também nada fora do padrão. Comparando com MDC, a mesma coisa.

Carolina Herrera Carolina foi criado em 2003 por Carlos Benaim e Clement Gavarry.

La Prairie Life Threads Gold

La Prairie Life Threads Gold

resenha patrocinadaHoje vou me jogar num perfume que eu tinha bastante curiosidade em conhecer: La Prairie Life Threads Gold.

La Prairie é uma marca suíça de cosméticos ultra luxuosos, que nasceu para que os clientes da Clínica e Spa La Prairie, pudessem continuar os tratamentos em casa .Tratamentos estes que incluem caviar, e oligoelementos como ouro, entre outros. Há algum tempos, a marca adicionou ao portfolio  maquiagens e também, perfumes.

Preferida dos ricos e famosos, criou em 2009 um trio de fragrâncias voltado ao tema “Fios da Vida” (Threads of Life). As fragrâncias são Gold, Silver e Platinum, ligando cada composição ao simbolismo de cada um dos preciosos metais.

life threads gold

As embalagens são um luxo a parte! O frasco de verdade vem “emparedado” entre dois painéis de lucita, um material lindo e durável, super chique. Os fios (dourados, no caso do Gold) dão um efeito especial, eu realmente amei o frasco e tinha visto apenas um outro neste estilo (porém não tão elegante), que foi o do Roberto Cavalli Just Her. Só tome cuidado, pois ele arranha como acrílico. Realmente amei o frasco, ele é milhões de vezes mais bonito ao vivo que em fotos.

la prairie LT goldA fragrância La Prairie Life Threads Gold, que eu experimentei e resenho agora, é considerada oriental especiada. É um tipo de fragrância luxuriante, complexa e rica, que vai fazer a cabeça das mulheres que gostam de perfumes de alta projeção (aliás, cuidado com ela! Maneire nas borrifadas, porque o La Prairie Gold está mais para Parfum  que para Eau de Parfum). La Praire Life Threads Gold não é, entretanto, aquele tipo de oriental que vai fazer você se sentir a preferida do sultão. Na verdade, a fragrância segue bastante o estilo oitentista de fazer perfumes excessivos, com ênfase na ameixa poderosa e especiarias que fizeram do Dior Poison a lenda que este se tornou. Não que La Prairie Gold seja uma cópia de Poison, LouLou ou perfumes do gênero, mas se você é fã deste estilo, com certeza vai gostar de Gold. Ao mesmo tempo, se quiser, pode se referir ao estilo limpo, radiante, ladylike, de Chanel Allure, devido a eloquência com que a fragrância faz uso da combinação bergamota, flores, e baunilha.

La Prairie Gold é dourado e iluminado, A abertura realça bastante a bergamota radiante e o lírio do vale, além da macia e púrpura ameixa.

Notas de cravo-da-índia e cominho, canela e cravo-da-índia, de maneira alguma exagerada, surgem para controlar o poder do lírio do vale. É quando a rosa e o ylang ylang, intoxicante, dominam a cena. A mirra, marcante e bastante incensada, em conjunto com outras resinas e a deliciosa baunilha, preenchem o ar, deixando um rastro amadeirado-almiscarado, balsâmico, no ar. Como vocês bem sabem, eu a-a-amo resinas e seu cheiro à couro cru, fumaça e âmbar, doce e inebriante… Em Gold, estas nuances são bem controladas, aquecem a fragrância sem sobrepor-se demais. Enfim, o perfume é bem executado, exuberante, porém elegante; solar, alegre, aberto para a vida. Gostei!

La Prairie Life Threads Gold foi criado com foco em mulheres adultas, sofisticadas, com estilo próprio e que carregam com elegância sua história de vida. Não é um “perfume modinha”, não deve agradar quem procura uma baunilha gourmand ou um “fruitchouli” orientalizado. Ao contrário, carrega uma atemporalidade e um estilo refinado, porém nada tímido.

ladylike

A longevidade do La Praire Gold também é de Parfum. Apesar do precinho ser, assim, digamos, tão salgado quanto o caviar do creme da marca (dizem que faz milagres, o que você acha?), La Prairie marca um território onde mulheres diferenciam-se de garotas, portanto me pareceu um investimento justo para quem procura qualidade, uma assinatura mais exclusiva e sofisticação garantida.

La Prairie Life Threads Gold foi criado pelo perfumista Constance Georges-Picot ,da Cosmo International.

Onde Comprar: Sépha Perfumaria

Notinhas:

Minha mãe tem a pele mais oleosa que a minha e nela, o perfume ficou ainda mais maravilhoso, as notas de bergamota, canela e mirra ainda mais exóticas. Nela, também, a fixação foi maior. A Senhora Minha Mãe botou um globo ocular obeso no perfume… Vixe!

Serge Lutens La Fille de Berlin EdP

Serge Lutens La Fille de Berlin EdP

serge lutens la fille de berlin

Serge Lutens La Fille de Berlin é o primeiro Serge Lutens que experimento, graças a uma amostra enviada pela marca (para quem assina a newsletter, às vezes surgem estas oportunidades. Preenchi um cadastro, cara-de-paumente fingindo que morava en France, já que não existe a opção Brésil, e não é que chegou aqui???! O que uma pessoa não faz para conseguir uma amostra!!!

[dropshadowbox align="center" effect="lifted-both" width="550px" height="" background_color="#ffffff" border_width="1" border_color="#dddddd" ]Se você não sabe quem é Serge Lutens, uma pequena e breve biografia segue, mas aos interessados vale a pena pesquisar um pouco na net (sei que a maioria das informações está em inglês ou francês, c’est la vie). Maquiador, fotógrafo, estilista, criador de cosméticos, cabeleireiro, designer e multitarefa em geral, trabalhou para a Vogue, a Dior e a Shiseido. Sob sua direção criativa, o famoso Shiseido Feminité du Bois (perfumista: Christopher Seldrake) foi concebido.

Nos anos 90 abriu seu próprio espaço (ligado até hoje à Shiseido), o Les Salons du Palais Royal, onde seus perfumes e cosméticos são vendidos. A marca Serge Lutens é bastante reconhecida como um nicho de perfumaria de altíssima qualidade e força criativa.  A marca ganhou alguns FIFI por suas criações. Suas influências são marcantemente voltadas para perfumes orientais.[/dropshadowbox]

Entretanto, La Fille de Berlin, seu último lançamento, baseia-se em rosas, caindo para o oriental, claro, mas cuja personalidade dominante é a Fraulein Rosenblum! Fato: eu não sou a mais apaixonadas por rosas, quando a caixinha por si só já cheirava á rosas, não me animei muito.

Ontem, quando experimentei o perfume, na parte da tarde, estava consideravelmente mais quente (e eu estava com fome) e eu achei a abertura abafada, muda, metálica, com aquela parte esquisita da rosa, que lembra sala de dentista , gritando por uns momentos (geraniol-menta combando?)! Foi esquisito. Hoje, porém, pela manhã, nova experimentação, barriguinha cheia; a rosa é vívida, fresca, com pólen e tudo. Uma notinha de café é percebida! Sim, até chequei para ver se era a minha caneca misteriosa, mas o café de La Fille de Berlin é melhor que o da minha caneca.

É importante dizer que, bem, estas rosas são beeem naturais. Parecem as rosas do meu jardim. Aliás, o perfume é tinto, cor-de-rosa antiga, e o que quero dizer com isso é que o líquido dá a impressão de que vai manchar a sua pele. (não o fará).rosas

 

Depois, a metamorfose das notas de saída apresenta um cheiro metálico (Já lambeu metal? Mordeu? É um bom jeito de saber que cheiro-gosto tem), tipo sangue, talvez. Depois, o perfume revela nuances mentoladas. Tudo isto ainda nos primeiros 20 minutos de evolução, tá?

O perfume atalca, claro,  são rosas afinal, polvilhado por violetas ríspidas, e pimentas em grão moídas.A parte especiada é bem consciente e diluída, aliás, então apenas realça a magnificência das rosas (aquelas vermelhas, gigantes, repolhudas, quentes de sol, que você esmaga com as mãos).

Doce, La Fille de Berlin começa a frequentar umas penteadeiras de boudoir bastante decadentes, um pouco melancolicamente, na minha opinião.

la fille de berlin

O perfume tem evolução lenta, ontem depois de umas 4 horas comecei a sentir o musk (para mim, bastante nítido e não inteiramente do meu agrado, mas o que importa é que conseguiu passar com propriedade o aspecto erótico e feminino, de La Fille de Berlin). Cada vez mais almiscarado e amadeirado, é esta é a minha fase preferida da fragrância. As madeiras finalmente se aquecem e se juntam ao musk, e existe uma espécie de reavivamento da rosa, agora mais amarga, e interessante. O perfume levou suas variações em até aproximadamente 8 horas, quando um cheiro de mulher, quando enfim começou a desvanecer, levando mais umas duas horas para que eu deixasse de percebê-lo com clareza.

Bom, La Fille en Berlin não é um perfume para mim. Não quer dizer que não seja bom para outra pessoa, porque, é, obviamente, bem executado. Eu é que não tenho esta vibe gótica- expressionista-cabaret.

Aliás, Serge Lutens, La Fille de Berlin, tem um quê decadente e romântico, que eu tentei identificar como a cara da garota de Berlim. Não que eu já tenha parado para pensar como são as garotas de Berlim, mas de fato, não consegui a proeza de imaginar uma jovem europeia moderna usando este perfume. Assim, um pouco frustrada, tentando entender onde se encaixava esta decadência romântica  toda, um pouco abafada e metálica, cheguei a conclusão de que a visão de Lutens sobre a garota de Berlim não é atual, e sim, uma visão cristalizada, algo que estereotipa a mulher berlinense (e a alemã, em geral), para o mundo.

-la fille de berlin - 1

Aí, cheguei numa epifania (ou não, como diria Caetano): La Fille De Berlin é a mulher alemã como retratada do pós-guerra. Embora soubesse mais tarde, que Lutens lançou recentemente um livro de fotografias intitulado apropriadamente Berlin à Paris, e também que a fragrância teria sido inspirada em Marlene Dietrich, notadamente em seu papel em Morocco, fiquei com isto na cabeça . Mais tarde, descobri também que diversos blogs sobre suas impressões e relacionam a fragrância à Metropolis e a estética expressionista (não acho que caiba, entretanto).  E também, penso que Dietrich não poderia cheirar a rosas, e bem, onde está o metal?

Este slideshow necessita de JavaScript.

O perfume tem uma longevidade excelente, uma projeção inicial absurda (gruda na roupa horrores, mesmo sem querer), mas amansa depois das 3 horas iniciais. A sillage feminina, decadente, melancólica e frágil-forte me lembra uma mulher ferida, ou uma rosa cujos espinhos estão prontos para defendê-la.

Definitivamente, La Fille de Berlin não me impressionou pela criatividade, mas pela consistência em transmitir um conceito.la fille de berlin 3

Perfumista: Christopher Seldrake.

Nota; Não aguentei ver inteiro o vídeo booooooring que tem na loja online com um longo texto críptico escrito pelo próprio Lutens, sobre o perfume. Mas você pode tentar. AQUI.

Antonio Banderas Her Secret

Antonio Banderas Her Secret

Antonio-Banderas_Her-Secret_Campanha_75dpis

Antonio Banderas Her Secret é a contraparte do lançamento masculino The Secret, de 2010.

Os perfumes sob a efígie de Antonio Banderas, talvez por seu valor, são comumente relegados a um segundo plano. Tenho a dizer que discordo totalmente deste preconceito (se fosse assim, ninguém gostaria do Glow, por exemplo). A Puig conseguiu trazer perfumes muito bacanas mesmo, na forma de perfumes de celebridades, e bobo é quem deixa de aproveitar estas barganhas. Se você não conheceu Antonio (o perfume), perdeu a chance. Ainda há o The Secret, masculino, que “super vale a pena” (estou imitando alguém aqui, não estou bem certa quem, mas vi isto em um blog de “tendencinhas”).

Na perfumaria, barato pode até ser sinônimo de ruim, mas caro não é sinônimo de bom.

antonio banderas her secret

Bom, Her Secret já mostra pelo tom do líquido a que veio (qualquer dúvida, cheque aqui no Guia Definitivo dos Nomes de Perfumes parte 2 minha teoria sobre as cores).

lencois de seda

Ritchie há de concordar: Her Secret combina com um cenário de lençóis limpos e macios dignos de uma Menina Veneno!

Este perfume de toucador, coisinha lindinha em preto e rosa, vintagezinho, chavezinha que, se você se lembrar do frasco de The Secret, abre a fechadura do perfume masculino), é mesmo bem fofinho. O perfume também transmite uma suave inocência no primeiro momento. Para mim, uma falsa inocência. Não sei o que fizeram, mas o perfume, apesar de super suave  e até romântico, tem cheiro de sexo.

Vamos lá: Antonio Banderas Her Secret abre numa mistura cremosa de flores brancas com deliciosos morangos silvestres. Eu só comi a frutinha uma vez in natura, e outra vez em um sorvete cremoso. Achei que fica algo entre os dois casos. Você deve perceber que algum petitgrain faz com que a fragrância de Her Secret se torne ligeiramente saponada. Até aqui, o perfume lembra mais lençóis limpos, um quarto cheiroso, convidativo, e cheiro de pele quente.

Não sei se você precisa de mais, porém o perfume fica um pouco mais intenso conforme o grapefruit transparece com mais vigor. Pimenta rosa realça este neroli de laranja amarga. Sinto uma nota de laranja evidente (não parecida com a laranja em Lady Million, em calda: nada disso. Aqui se parece mais com Lancôme Ô de L’Oranger). A baunilha é super sutil, mas um pouco “queimada”, como um suave caramelo. Não o suficiente para se adonar da fragrância, mas cria um crescendo de intensidade ligeiramente gourmand. Ligeiramente.

Dando algum peso, notas de couro, discretas, como a de sua bolsa ou jaqueta. Nada que perturbe o momento de concentração hedonista em sua própria pele.

Resumindo, Antonio Banderas Her Secret é um achado: coquete, delicado, sedoso, sexy e feminino. Ele é bem mais chique do que a etiqueta de preço deixa transparecer.

 

O vídeo, divertido:

Jo Loves A Shot of Oud over Mango

Jo Loves A Shot of Oud over Mango

Jo Loves A Shot of Oud over Mango, o primeiro perfume da marca inglesa que resenho aqui, faz parte de uma coleção chamada Mango Collection. Se você não sabe (e não tem a obrigação de saber, eu também só descobri meses atrás), a Jo Loves é a nova marca de Jo Malone (que se você também não sabe, vendeu sua marca para a Estée Lauder há muito tempo atrás tipo, em 1999, e ficou lá como diretora criativa até 2006). E agora temos Jo Loves, desde 2011.

Sendo assim, tenho que dizer que este é o primeiro post sobre um perfume da perfumaria de nicho Jo Loves (sugestão do Dino), mas outros virão em breve.

Aliás, lembro-me de ter prometido que não iria me envolver com perfumarias de nicho, que é onde a “adicção” pega pesado de verdade. Eu ainda sou jovem e tenho tantos perfumes mainstream para experimentar… Já não chega os vintages que tento ignorar com todas as minhas forças de modo a ter dinheiro para comer, ainda existem estas marcas caprichosas para minarem minha força de vontade. Se um dia meu for encontrada pedindo um troquinho no terminal para comprar um bauru (mentira!), saiba que será na verdade para ir para debaixo do viaduto cheirar um frasquinho de amostra de perfumaria de nicho.

Dito isso, falemos de Jo Loves A Shot of Oud Over Mango.

Poucos perfumes com manga me dão tesão. Na verdade, acho que só me lembro do Kenzo Jungle L’Elephant ser emocionante o suficiente.Odeio o cheiro de manga e a textura de manga muito madura e o  meu medo é que a fragrância tivesse esta cara.

Não é segredo para ninguém que eu amo amadeirados. Ainda mais com referências orientais. Nem vou fingir que não amo esta coisa maravilhosa que é o oud só porque, no mercado de perfumes, todo mundo quer fazer seu perfume “ao aoud supréme”.

jo loves a shot of oud over mango

Aí sou envolvida por uma manga que oscila entre algo estilizado (muito por causa da moldura amadeirada que o oud lhe dá) e naturalidade que faz com que eu praticamente sinta a textura firme, macia, suculenta de uma mordida ávida em sua carne de manga rosa. Logo ao borrifar o A Shot of Oud Over Mango.

O perfume é oriental, óbvio, pela presença do oud, picante por conta da presença nítida, porém na medida, da pimenta preta e da frésia (como sempre digo, acho a frésia perfeita para realçar aspectos picantes). Não precisa de muito mais. As notas dominantes de A Shot of Oud Lover Mango estão aí. A manga permeia a fragrância por toda sua evolução, mas a transição entre as notas de abertura e médias, confesso, são extasiantes. O mergulho nas nuances escuras, enfumaçadas, misteriosas e tão particularmente orientais, ricas, exóticas do oud me levaram a uma experiência interessante por este orientalismo que para mim, fugiu da fantasia; está aí também para que você experimente em um perfume que não segue o estilo ambarado e sobremesa. Mas não se engane, a doçura natural das notas escolhidas sustenta sua necessidade de sacarose.

. Gostei, enfim, da modernidade do perfume, da fuga de rótulos fáceis.

A manga debruça-se mais para um aspecto cremoso, floral, realçado pela frésia. O oud confere uma profundidade inestimável ao perfume; preenche seu fôlego completamente, sem ser nauseante, muito pelo contrário (acho eu tinha comentado que poucos perfumes me dão esta sensação, sendo o Shiseido Zen um deles). Achei a cara do verão, um oriental com cara de Lagoa da Conceição: morro e mar e céu azul; depois noite quente e olorosa.

Projeção mediana, longevidade boa. Deixa rastro.

jo loves oud mango

Achei o custo-benefício de  Jo Loves A Shot of Oud Over Mango ótimo, aliás, mesmo com o frete (a venda é exclusiva pelo site da marca), considerando-se a qualidade do perfume.  Estou vendo que, assim que meu cartão de crédito se recuperar do coma induzido em que está, pelo menos A Shot of Oud over Mango eu terei que possuir (Jo Loves “se prepare que vou lhe usar”, tipo assim).

Exótico e marcante.

 

Diesel by Diesel (1996) EdT

Diesel by Diesel (1996) EdT

 diesel pumpEste perfume faz parte da minha coleção de miniaturas , que aliás, venho resenhando devagarinho.

Diesel by Diesel foi lançado em 1996, e até onde eu saiba, é a primeira fragrância da marca italiana. Pretende ser unissex, porém, até para meu olfato normalmente tolerante às questões de gênero, a fragrância tende mais para o gosto masculino, embora possa agradar também aquelas que gostem de um estilo mais seco e adstringente, embora especiado, em seus perfumes.

diesel by diesel com tampaQuando abri o frasquinho, me deparei com uma saída especiada e resinosa que marcou como bastante semelhante à gasolina (calha que eu gosto do cheiro de gasolina). O perfume vai para um amadeirado intenso, apoiado principalmente no galbanum. As nuances especiadas ficam mais evidentes quando a fúria da resina acalma, e por trás desta aridez (para mim, mais máscula), existem notas florais que somente complementam, e muito bem, o efeito geral de “combustível” . O tema continua fresco e bastante rentável para a marca.

As flores escolhidas, na verde, são as do tipo que costumamos ver em perfumaria masculina. Cravo, gerânio. Junte a isso pimenta preta, alcaravia, cardamomo, e fava tonka e você pode ter uma ideia de que o perfume brinca com as sensações, entre especiados frios e quentes, resinas amargas, favas que rescendem a tabaco. Porém é um perfume em que estas nuances são bem dosadas. O que predomina em Diesel by Diesel é a madeira e o calor.

Intrigantemente, as notas de gengibre e parte das notas cítricas seguem pela fragrância, mas não úmidas e refrescantes.

No geral, este perfume seria perfeito para quem curte, de verdade, um oriental amadeirado, que deixa um leve cheiro de gasolina (e isto não é sexy?), mas se aquece com especiarias secas e madeiras mais secas e amargas ainda. Para as mais femininas não serve.

Projeção baixa, longevidade razoável. Interessante, mas não vejo que seja tão especial a ponto de valer um relançamento. O perfume, porém, não faz feio frente a vários lançamentos no mesmo estilo de marcas mais “tradicionais”.

O frasco de Diesel by Diesel, ao menos na minha opinião, parece ser um misto de frasco de combustível (principalmente a tampa) com bomba de combustível vintage. Tentei tirar fotos do mini com o celular (pois minha câmera está quebrada há um tempo, mas ficou completamente borrada e escura).

Diesel by Diesel foi criado para a marca por Geza Schoen.

diesel ad

Guerlain Elixir Charnel Lingerie

Guerlain Elixir Charnel Lingerie

No mundo das fragrâncias de elite mesmo, existem perfumes super exclusivos que não estão à venda nas Sephoras da vida. Entre eles, estão alguns Guerlain disputadíssimos, e entre os Guerlain disputadíssimos, estão as fragrâncias da coleção Elixir Charnel (no singular?).

Até o momento são 5 fragrâncias, criadas por Christine Nagel com direção artística de Sylvaine Delacourt. A saber, os Elixires Carnais, são Chypre Fatal, Gourmand Coquin, Oriental Brûlant, Floral Romantique e Le Boisé Torride.

Não bastando todo o glamour próprio da coleção (esta, tão distante das minhas mãos ávidas… e do meu nariz) a Guerlain solicitou a outra marca super conceituada, a Absolutey Pôm (tipo assim, haute couture de lingerie, sente só) a criação de 5 lingeries que expressassem as fragrâncias, só que em renda, tule de seda e glamour.

Não é bem que a Guerlain esteja se aventurando no mundo da moda, mas a conexão entre lingeries, pele e perfume tem tudo a ver, e parece que tomaram gosto pela coisa por lá!  Aliás, além de “aprontar” as lingeries Elixir Charnel para os fãs,  recentemente a Maison anunciou o lançamento de Eau de Lingerie, seu novo perfume batizado sugestivamente, para o final de janeiro (logo, notinha aqui no PnP).

Agora, confira os perfumes da coleção Elixir Charnel e as lingeries homônimas da Absolutely Pôm, e digam o que acharam!

guerlain e absolutely pom chypre fatal

Chypre Fatal: pêssego, rosa, baunilha, patchouli

guerlain e absolutely pom floral romantique

Floral Romantique: ylang ylang, tiare, jasmim, cravo, lírio, ambrete, mandarina, mate, petitgrain, marrom glacê, chá verde, cedro, benjoim

Meus Humores: Minha coleção Natura Humor (Humor 2)

Meus Humores: Minha coleção Natura Humor (Humor 2)

Já aviso: não tenho todos. Ganhei, aqui e ali, de pessoas que não gostavam deles (existem pessoas assim), ou foram generosas o suficiente com o meu projeto, ou ainda, foram seduzidos pelo meu método de persuasão que pode variar entre puppy dog eyes a sutis ameaças envolvendo machados e difamação social. Assim, foi pouco a pouco presenteada com as fragrâncias, para que eu os pudesse resenhar. Tornou-se meu objetivo ter todos (de graça, haha) para comentar a coleção completa, porém ninguém me deu o nº 3, o nº 8 ou o nº 9 nem o Fórmula do Humor. Tem outros? Aceito doações!

Agora, não que eu esteja cedendo a algum tipo de pressão nem nada…, mas sinto que não devo esperar mais para resenha-los.

Todos eles, em maior ou menor grau, têm a assinatura olfativa da Natura, que muitas vezes me incomoda um pouco, porém tenho que admitir, é brasileiríssimae leve, vivificante. Também têm em seu conceito o uso partilhado, ou seja, seriam unissex. Você vai perceber, no entanto, que algumas tenderão mais para um gênero ou outro, em termos de preferência.

A respeito dos frascos da coleção, eles são bonitos, modernos e funcionais, transportando com eficiência o conceito de “cartum”, das tirinhas para o mundo tridimensional. Porém não acho que combine com a maioria das fragrâncias. Acredito que muitas das fragrâncias seriam mais valorizadas em frascos mais refinados.

Para acompanhar esta pequena série e cada um dos meus Humores, pesquise em Categorias: Series e vai encontrar todas as resenhas.

Vamos a eles:

[dropshadowbox align="none" effect="lifted-both" width="600px" height="" background_color="#ffffff" border_width="1" border_color="#dddddd" ]

Humor 2:

Brincando de Seduzir

Brincando com arquiteturas olfativas bastante tradicionais, este perfume tem toques fougère, enquanto apresenta muito bem amarrados, amadeirados competentes e toques frescos intrigantes. O Breu branco é o diferencial, assim como a sensação quente-frio com a qual a fragrância trabalha. O inicio é picante, e cítrico (limão, bergamota, gengibre, em conjunto com pimenta preta bastante evidente). Na primeira aplicação percebi o perfume mais adocicado que na segunda, provavelmente porque o tenho há algum tempo e ele precisava respirar um pouco. Por isto senti o adocicado do breu branco e cumaru bem proeminentes.

Acredito que vá atrair mais aos homens, porque algumas notas são mais típicas em perfumes masculinos. Gostei especialmente quando as notas de gengibre, em parceria com o geraniol, formando um acorde “geladinho” e um pouco anisado, canforado contrastaram e fizeram um “arpegio olfativo” com as notas mais doces e balsâmicas de Humor 2. Lírio do vale ok, “amacia” a fragrância, o gerânio bem colocado confere classe que evolui para as notas amadeiradas e almiscaradas, onde a fava tonka é mais evidente.

Sua vibe é mais sensual, só achei o musk meio over, exagerado. Ainda assim, outra composição de qualidade para a coleção. Ele também desmaia rápido, longevidade de 3 horas no máximo.

[/dropshadowbox]

Postado em 2012-11-16 14:02:25

Guerlain Cologne du 68

Guerlain Cologne du 68

68-guerlain-perfumenapele

Guerlain Cologne du 68 (suas-san-úit?)

 

 

Eu vinha namorando a possibilidade de comprar esta colônia há uns 2 anos, desde que tive notícias de que a Guerlain Cologne du 68 poderia ser encontrada em frascos menores e que tinha começado a ser vendida fora da flagship em Paris. Porém, quando vi uma promoção impensável na Sephora Brasileira, um mês antes da Black Friday tupiniquim, pensei que iria enlouquecer se não comprasse. Arrisquei esperar a data, imaginando que poderia baixar um pouquinho mais (devido à majoritária ignorância do público em geral sobre a fragrância). Eles não baixaram o preço (mas já estava metade do preço original, e quase quarenta dólares  menos que o preço lá fora).

Sendo assim, meu pavor de esperar demais (tinha conseguido passar grande parte do ano e manter  minha a promessa de controlar os gastos com perfumes) me impeliu para esta barganha. E devo dizer que não me arrependi nem um pouco, como já imaginava.

guerlain facade - perfume na pele

 

O motivo de ter demorado tanto para resenhá-la foi, além da minha natural tendência a não fazer isto assim que compro um perfume (além disso, tem coisa aqui que tenho desde antes do blog que ainda não resenhei), foi que eu sempre procuro descrever com o maior detalhamento possível minhas impressões. Mas cheguei à conclusão de que neste caso, iria ser excessivo e cansativo.

Então vamos a uma versão resumida:

 

 

A Guerlain Cologne Du 68, como sugere o nome, é uma água de colônia, que foi lançada originalmente em 2006, num “pequeno” frasco de 490ml tipo splash (ou seja, sem vaporizador spray) e que  podia ser encontrado na sede, em Paris. Seu nome sugere dois fatos: o endereço onde a Maison Guerlain se instalou, no numero 68 da Avenue des Champs-Elysées, e os supostos 68 ingredientes (a maioria deles naturais) utilizados em sua fórmula.  Conforme a mentora intelectual da fragrância Sylvaine Delacourt (a fragrância foi concebida por Sophie Labbe), a ideia era refletir com elegância suas férias de verão na Córsega.

 

Citados oficialmente no rótulo, são estes os ingredientes:

[dropshadowbox align="none" effect="lifted-both" width="550px" height="" background_color="#ffffff" border_width="1" border_color="#dddddd" ]

Cabeça:

Bergamota, Mandarina Verde, Limão, Clementina, Cidra, Laranja Sanguínea, Lima-Da-Pérsia, Folhas De Toranja, Manjericão, Erva-Doce, Anis, Lavanda, Louro, Cipreste, Elemi, Tomilho, Murta, Petitgrain Amargo, Petit-grain de Mandarina, Limão-Pera.

Coração:

Folhas De Violetas, Hera, Genciana, Seiva, Cassis, Frésia, Muguet, Folhas De Aveleira, Ciclâmen, Cardamomo, Coriandro, Pimenta Preta, Pimenta Rosa, Noz-Moscada, Gengibre, Jasmim, Frangipani, Magnólia, Flor de Laranjeira, Peônia, Cravo Cor-De-Rosa, Ylang Ylang, Lichia, Figo, Amoreira.

Base:

Sempre-Viva, Lentisco, Opoponax, âmbar, Benjoim, Baunilha, Cistus, Heliotropo, Íris, Fava Tonka, Sálvia, Musk, Patchouli, Agar, Cedro, Sândalo, Vetiver, Musk Vegetal, Mirra, Líquen. [/dropshadowbox]

Como os campos agrestes da Córsega tem um tipo interessante de bioma, conhecido por macchia, em italiano, a perfumista levou em consideração a necessidade de incluir na experiência olfativa a murta, juníperos e ciprestes, sálvia, loureiros. Assim como líquens que fizessem lembrar a beira-mar, ervas e hesperídeos que  honrassem a  tradição da água de colônia, enquanto outros elementos trouxessem a personalidade das fragrâncias Guerlain a um nível leve porém impressivo o suficiente.

 

O bioma da Córsega, que mistura maquis e mar é a inspiração para Guerlain cologne du 68

 

E não é que ela conseguiu?!

Cologne Du 68 é difícil de descrever, pois a cada vez que uso, sinto algo que cambia, se revela. Não é uma confusão de elementos, como poderia se supor. A nota anisada, conclama as especiarias a imiscuir-se às flores em botão e íris, ylang-ylang sutis; estas trazem um leve, quase imperceptível atalcado a fragrância. A baunilha está presente no nível de doçura de um guerlinade, nem mais nem menos. Esta característica você vai sentir em dias mais frescos. Em dias mais quentes, o herbal quase medicinal, adoçado por praline e refrescado por notas de flor e hespérides.

Mas uma parte da qual eu sou e sempre serei apaixonada e sua faceta resinosa e amadeirada, rica, sensual. É sério. Fica maravilhosamente bem em pele feminina: no calor tórrido parece um delicioso mel, resina, ervas  e limão, íris e ylang; em clima ameno, reconfortante e fresca versão da guerlinade, sem talvez o apelo super sexual de fragrâncias mais antigas. Nos homens, acredito que confira um charme de gentleman displicente e natural.

Já digo que Cologne Du 68 cheira como algo “diferenciado”, conforme está em voga dizer atualmente.

versões de 250ml e 490ml, respectivamente

versões de 250ml e 490ml, respectivamente

Sabe, é como se por trás deste estranho conceito de colônia (pois não é tão cítrica quanto deveria para tradicionalmente representar o segmento), estivessem todos os grandes perfumes da marca. Em cada pedacinho de sua fórmula, um pouco da sublime genialidade que alçou à fama Shalimar, L’Heure Bleue, Vol de Nuit, Vetiver e Eau de Guerlain, só para citar alguns

Eu não sou classicista, mas recomendo a você, amante de perfume, que experimente Cologne Du 68. Aí me diga o que achou. Posso dizer que me sinto infinitamente melhor, quando borrifo sobre mim esta delícia.

As vezes percebo mais elemi e petitgrain, as vezes o mastic (lentisco) e o praline. E outra vez, mais a Iris e o patchouli.

Estou apaixonada, e feliz de que o vidro seja de 100 ml (em geral eu não gosto de grandes volumetrias pois acabo não usando). Aliás, a versão de 100ml vem com um vaporizador spray, coisa que os tamanhos maiores não possuem (como era de se esperar no caso de água de colônia. Perceberam que pode ser usado como Eau de toilette sem problemas.  Gosto, aliás, da aparência austera de produto de botica antiga.

Aparentemente a fragrância deveria durar pouco, mas não acho que seja assim.  Inclusive, voltei da piscina para finalizar a resenha, e percebo seu aroma de limpeza, mistério e natural savoir vivre, em minha pele.

Simplesmente adorável. Vou “beber”  Guerlain Cologne Du 68 neste verão.

Moschino for Women EdT

Moschino for Women EdT

Este perfume foi lançado em 1987 e hoje, está descontinuado, porém no meio do ano tive acesso a uma coleção de minis “vintage” e/ou “hard to find” vindos da Itália, que fotografei e postei no FB. Não tive tempo para começar a resenhá-los, a não ser agora e…

Confesso que quando vi Moschino for Women ORIGINAL no meio do lote, quase surtei, mas mantive a pose para não dar na pinta.

moschino+for+women+perfume+na+pele

 

Moschino é um perfume extremamente potente, especiado, muito equilibrado, feminino e sensual. Não faz o menor sentido no nosso clima, pois é denso demais, porém pode e deve ser reservado para ocasiões especiais em noites frias.

A abertura pode parecer masculina, para nossos olfatos já acostumados aos frutais dos últimos 20 anos. Abre ousado, agressivo, com suas notas de madressilva, gálbano, ameixa, e tagete. Abra espaço, deixe crescer, respirar, como um bom vinho. Frésia vibrante transparece aqui e ali, em contraponto, quando se presta atenção.

Claro que, se você não tem interesse em perfumes do tipo oriental ou chypre, não curte perfumes agressivos como Obsession, construções balsâmicas como Guerlain Shalimar, L´Heure Bleue, ou mesmo Must de Cartier, este perfume não tem nada para você.

“Para uso externo somente” Que bom que me avisaram!

O cravo-da-índia, noz-moscada, pimenta bem evidentes marcam o ritmo da composição, quando o ylang ylang evidencia-se. O perfume tem uma construção cremosa, vanílica, ligeiramente saponada em alguns momentos. Mesmo o meu frasquinho, depois de um tempo para respirar, mostrou tessituras de acordes surpreendentes.

É interessante como o perfume é sensual e perde sua agressividade nas notas médias, apresentando detalhes aveludados, especiados e quase gourmand, enquanto a pimenta preta (absolutamente sob controle aqui) leva Moschino a subtons um tanto metálicos, mantendo a modernidade após tantos anos. Aveludando e contribuindo com a sensualidade hipnótica e tão italiana (quero dizer, como os perfumes preciosos criados pelos designers italianos nos anos 80), o âmbar resinoso transparece aqui e ali.

Mas não é assim que são os bons perfumes?

Se você encontrar para comprar e este for seu tipo de perfume, não irá se arrepender. Notas de sândalo, musk animálico e ultra sexual, além de patchouli, constroem a base yang, para mulheres intensas. Destaca-se, marcante e sexy, na multidão.

Sillage, projeção e tudo o mais, como se fazia antigamente. Uma gota basta.

moschino+ad+perfumenapele
Publicado em 2012-11-23 16:22:41

Avon Far Away Exotic

resenha patrocinada

Far Away Exotic, da Avon foi um dos perfumes que ficou sumido com a mudança de cômodos aqui em casa, dentro de uma caixa de Sedex (tinha guardado para sorteio, lacrada, sem resenhar). Só agora, quando pude retomar de verdade as “funções” aqui no PnP, acabei reencontrando a caixa fechada. É uma pena que não tenha resenhado quando foi realmente lançado, no começo do ano. O problema é que a correria aqui foi tanta e… enfim.

Vamos ao que interessa.

Este perfume vai agradar em cheio aquelas que gostam de um Escada, e sua explosão frutal.

A fragrância de Far Away Exotic te pega de surpresa com um nocaute de coco e manga, bastante doce (mais doce que os Jennifer Lopez Deseo ou Miami Glow). Obviamente, se você não suporta a nota de coco, este perfume não é para você.

Quem conhece esta nota sabe que além da cremosidade, ela tem naturalmente um fundo um pouco amargo. Isto é corrigido pela manga suculenta. Porém, o perfume traz uma doçura talcadinha, no início, que some com o tempo. basicamente causada pela nota de coco. Impressão minha ou temos pêssego também?

As especiarias estão concentradas numa concocção semelhante a do latte chai/masala chai (chá preto, especiarias, servida com leite) indiano. Você logo as sentirá quando as notas frutais acalmarem (um pouco) e as flores se tornarem mais evidentes. A sensação picante é muito interessante e aromática, entretanto está bastante sufocada pelas frutas.

É um perfume de projeção alta, de evolução ondulante, não linear, sem sutilezas, com uma longevidade padrão atualmente para um eau de toilette (chamado pela marca desodorante colônia). Este perfume não faz feio frente muitas fragrâncias da mesma “escola”. Obviamente não é uma obra-prima, porém vale o valor investido, se este é o seu tipo de fragrância. Gostei mais dele do que do Escada Taj Sunset.

far+away+exotic+perfume+na+pele

Quanto ao frasco e embalagem, tudo ia muito bem, porém a tampa me incomoda bastante… A Avon podia mesmo trocar esta tampa (e a do original) por uma com a mesma ideia, porém em acrílico transparente. Daria um refinamento e tanto (eu e meus arroubos de designer).

Publicado em 2012-11-23 13:31:08

Carolina Herrera 212 Men EdT

212-men-herrera-perfumenapele

Desta fragrância, eu tenho um mini há pelo menos 1 ano aguardando resenha. Este perfume é um sucesso de vendas, e tem razões para isto. Enfim trouxe o Carolina Herrera 212 Men para o Perfume na Pele principalmente por causa das pessoas que chegam aqui buscando por ele.

O que você precisa saber sobre este perfume?

O grande trunfo desta fragrância é sua versatilidade. Poucos perfumes podem se adaptar a várias temperaturas, estilos, ambientes e ocasiões quanto este.

Apesar de não ser de modo algum um perfume imponente, ele tem projeção e longevidade muito bons.

212 Men abre com lima, grapefruit, petitgrain e notas verdes, como a grama recém cortada, e a principio parece um pouco difuso. Entretanto prepare-se para as sensações especiadas, pois você vai perceber dois momentos distintos: um poutpourri de especiarias e, predominante, a pimenta verde (piper nigrum, ou seja, a pimenta-do-reino, só que verde). Aliás, a pimenta verde é bem forte, máscula, metálica, exigente, nesta fragrância, realçada pelas folhas de violetas; mesmo as sutis notas florais (gardênia, e este é o elemento de ligação entre os 212) são apenas um suspiro sutil que transparecem aqui e ali, transmitindo aconchego e serenidade. Aliás, a princípio meu frasco me deu uma impressão mais floral dele, pois estava muito tempo parado ali no escurinho, porém as notas evoluíram para algo definitivamente especiado, deixando somente a sombra de flores. Se isto acontecer com você na sua primeira prova, vá dar uma volta e deixe o perfume crescer na pele, para conhecer sua verdadeira personalidade. Engraçado pensar que tem pessoas assim também… Parecem calminhos, suaves, gentis… Mas na verdade são umas pimentas!

O gengibre leva a sensação picante-cítrica pelo resto da evolução, juntamente com a pimenta e algum resquício de lima. Labdanum complementa com calor incensado super leve, sutil, instigante, com musks suaves e sândalos olorosos. tem momentos em que eu percebo uma vibe marine, algo salgado e arenoso (ou seria uma vibe mojito? hehe), mas não diria que realmente se enquadre nesta categoria. A evolução para o lado amadeirado-almiscarado é evidente já depois de uma hora na pele. Aliás, é quando a “base 212″ (sândalo-gardênia-musk) entra em ação e você percebe porque este perfume partilha do código telefônico de Manhattan.

Ótima compra s cegas, elegante, bacana, moderno e urbano. Se você não gosta de pimenta, não deve se impressionar; porém, embora esta seja sua faceta mais evidente, Carolina Herrera 212 Men traz uma elegância cítrica e displicente que tem sido a base do seu sucesso por anos.

 

Alberto Morillas, Rosendau Mateu e Ann Gottlieb foram os criadores de Carolina Herrera 212 Men, lançado em 1999.

A tampa do original é magnética, bastante interessante, enquanto o frasco mostra metal por fora. O frasco segue a linha simples, moderna e minimalista da linha 212, e foi criado por Fabien Baron. Apesar de bastante utilitária, não me toca o coração.

Publicado em 2012-11-21 13:20:25

Scuderia Ferrari EdT

A Ferrari poderia emprestar o glamour da marca italiana de carros de luxo para a perfumaria, ou estender seus padrões de qualidade para acessórios de seus fãs, mas na prática, não entendo que isto aconteça. Os perfumes lançados sob a efígie do cavalinho negro não são especialmente sensacionais, e carecem de maior cuidado. Não são particularmente ruins, entretanto não conseguem se destacar como as possantes máquinas com o mesmo sobrenome.

Scuderia Ferrari segue esta lógica, também, sendo moderno e simpático, tanto quanto um carro popular. Aromático

com a nossa já consagrada combinação lavanda e alecrim, menta, gerânio e a pimenta preta, anunciada por notas cítricas equilibradas, Scuderia Ferrari é competente, casual e urbano. O toque especial fica com as notas de chá, guáiaco e outras madeiras, alem de fava tonka, musk e âmbar. Scuderia Ferrari é leve, espontâneo, sem fugir muito do que a marca vem apresentando até agora em termos de perfume. Um perfume relativamente acessível, é uma alternativa para opções nacionais se você curte muito a marca ou gosta de perfumes masculinos mais discretos e joviais.

Tem uma evolução linear, sem grandes surpresas. Aparentemente o grande trunfo é o frasco, com um design impecável (desenhado por Thierry de Baschmakoff).

Criado por Karine Dubreil em 2010.

Postado em 2012-08-15 18:21:11

1 de 2
12
  • RSS
  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • Pinterest